18 de nov de 2007

Fábrica do Refrão

Contramão

Apita quando for a hora de acordar
Se a gente não dormir
Apita pra sonhar

Das prosas no jardim
O sol se pondo em vão
Por que ele cai assim
Se volta pela contramão?

Se a timidez bater, você for se esquivar
Lembra que eu só quero conversar

Sobre a falta de atenção
E a cor que eu não sei não
E como é tão igual
Teu gosto e o meu

O jeito de guri
Que eu quase aprendi
não tenho onde hoje eu tô
Por isso fico a supor:

Se eu for a tua porta, será que tu te importas
em caminhar ali na Redenção?

E o dilema, que é mais longe que a distância pro meridional,mora em saber se sem querer a gente tem intuição para depois estar na contramão, ou enfim se pos...

...a cidade, o beijo, a moça,o perigo, aquela praça e a poça.
Na contramão pintei o esboço que encantou.

Explica isso depois
Caminha agora aqui
E não te assusta, pois,
Com o verso que escrevi

É que eu consigo ler
Até de trás pra frente
Que deve haver você
No coração de muita gente

Capaz que algum rapaz já não está atrás,
Na mesma contramão que me meti

E eu nem importo em encher meu coração de pura tinta
Eu queria estar no paralelo trinta
E também sei que a poesia é mentirosa e sucinta
Mas pra encabular, eu quero que tu sintas a cor da rima já de cor

...a cidade, o beijo, a moça,o perigo, aquela praça e a poça.
Na contramão pintei o esboço que encantou.

E o dilema, está mais longe que a distância pro meridional,mora em saber se sem querer a gente tem intuição para depois estar na contramão, ou enfim se pos...

E eu nem importo em encher meu coração de pura tinta
Eu queria estar no paralelo trinta
E tambem sei que a poesia é mentirosa e sucinta
Mas pra encabular, eu quero que tu sintas a cor da rima já de cor

....a cidade, o beijo, a moça,o perigo, aquela praça e a poça cheia.
Na contramão pintei o esboço que encantou.

Nenhum comentário: